quarta-feira, novembro 10, 2010

Sem perfume.


Outro tom.
Outra causa,
Um batom.
Uma salsa.

Sem distancia
sem perfume
Nem flor.
Só restos.

Meus espinhos,
Estão sobre minhas mãos,
Meus sonhos, perdidos.
Era o mesmo vilão.

Sobre a chuva
voam meus sons.
Sobre meu corpo
você sobrevoa e
no silêncio da dor
cai essa chuva de amor.
(L.Amaral)

Nenhum comentário:

Postar um comentário